10 de Agosto de 2020,

Economia

A | A

Domingo, 04 de Fevereiro de 2018, 13h:11 | Atualizado:

DISPUTA

Bom Futuro barra reintegração de fazenda em MT


Gazeta Digital

bomfuturo.jpg

 

A Fazenda Marabá, em Campo Verde, alvo de disputa judicial entre 2 gigantes do agronegócio, teve a reintegração de posse derrubada pela Justiça, em decisão favorável ao grupo Bom Futuro. A área de propriedade do grupo JPupin foi arrematada em leilão pela empresa de Eraí Maggi no ano passado. Desde então, o ato é questionado judicialmente pelo grupo JPupin, em recuperação judicial, que pede a reintegração da área e o cancelamento do leilão.

Após decisão favorável aos Pupin, o grupo Bom Futuro recorreu e o Tribunal de Justiça de São Paulo reconheceu a legalidade do leilão e restaurou os efeitos do certame.

O juiz Gastão Toledo de Campos Mello Filho considerou os argumentos da defesa do Grupo Bom Futuro e avaliou que o leilão não resultou em prejuízo à massa de credores que consta na recuperação judicial do Grupo JPupin. “(...) a arrematação não se deu em prejuízo à massa de credores, visto que a recuperação judicial da devedora principal foi deferida apenas em 19/10/2017, um mês após o registro da carta de arrematação”, afirma o juiz na decisão de 31 de janeiro.

Por meio de nota, o Grupo JPupin informa que irá recorrer da decisão. “A empresa está tranquila quanto à reversão da decisão proferida pela presidência do TJSP, uma vez que já foi comprovada a fraude no leilão do imóvel feito pelo banco Santander e arrematado pelo Grupo Bom Futuro”, cita em nota.

Após a decisão, funcionários do Grupo JPupin chegaram a registrar boletins de ocorrência na Polí- cia relatando agressões e intimidações cometidas por funcionários da Bom Futuro na propriedade.

Sobre as acusações, a reportagem entrou em contato com a assessoria jurídica do Grupo Bom Futuro por telefone, mas as ligações não foram atendidas. O Grupo JPupin afirma que está tomando as providências para resolver a questão e resguardar a segurança dos 84 moradores que residem na área há mais de 30 anos.

 



Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Jose antonio | Segunda-Feira, 05 de Fevereiro de 2018, 07h33
    0
    0

    Pode sim

  • Refem do Agronegócio | Domingo, 04 de Fevereiro de 2018, 18h20
    6
    2

    BURLADO a lei! RJ e justamente para dar oportunidade a empresa sem delapidar o patrimônio! Como reerguer o grupo se o patrimônio está sendo retirado.O rei nao pode tudo.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS