26 de Maio de 2020,

Economia

A | A

Sábado, 28 de Março de 2020, 14h:25 | Atualizado:

CRISE PANDÊMICA

Entidades defendem comércio aberto e prorrogação do ICMS em MT

Facmat diz que se pode unir economia com preservação da vida

comercio-folhamax.jpg

 

A reabertura do comércio nos diversos municípios de Mato Grosso foi debatida na tarde desta sexta-feira (27.03), por videoconferência, entre os presidentes da Federação das Associações Comerciais e Empresariais de Mato Grosso (Facmat), Jonas Alves, e das Associações Comerciais, e o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado (Sedec-MT), César Miranda. Durante a videoconferência, o secretário e os representantes do setor chegaram a um entendimento de que precisam lutar pela reabertura do comércio, mesmo com a crise provocada pelo coronavírus, mas com responsabilidade e respeito à vida das pessoas. 

O secretário informou que o Governo do Estado está preocupado com a situação econômica e que o novo decreto publicado no Diário Oficial da última quinta-feira (26.03) listava mais atividades que poderão continuar a operar durante o período de quarentena, sem que haja aglomeração de pessoas. Entretanto, Miranda pontuou que o decreto, não necessariamente, precisa ser cumprido pelos prefeitos. “Por isso o diálogo é importante com os gestores municipais. O decreto é uma orientação, um caminho para que possamos, aos poucos, com muita responsabilidade, voltar a ter o comércio funcionando. Temos que ter pequenos cuidados, protocolos para evitar uma contaminação maior”, explicou César Miranda. 

Ele ainda sugeriu aos presidentes das Associações Comerciais que discutam com os prefeitos nos municípios sobre o decreto para que haja flexibilização. “Em nenhum momento o Governo do Estado disse que temos que acabar com o isolamento, mas temos que continuar mantendo o comércio funcionamento minimamente para gerar economia. As pessoas precisam comer e ter emprego”, enfatizou.

Miranda informou ainda que Mato Grosso aguarda as decisões do Governo Federal quanto aos recursos destinados aos empresários na crise, para se basear e também propor benefícios ao setor no Estado. “O secretário de Fazenda, Rogério Gallo, junto com outros secretários de todo o país estão participando de videoconferências com o ministro Paulo Guedes. Depois do anúncio de medidas do pacote econômico, o Estado também deve se posicionar”.

Para o presidente da Facmat, Jonas Alves, o momento pede que o poder público ajude as empresas com a postergação do recolhimento dos impostos em todas as esferas de governo, municipal, estadual e federal. Ele disse ainda que o momento pede maior aproximação e entrosamento, mesmo por videoconferência, entre a classe empresarial do Estado, em especial, as Associações Comerciais que podem unir forças para criar soluções durante a crise provocada pelo coronavírus. 

“Precisamos nos aproximar cada vez mais, e neste momento só virtual mesmo, valorizar as Associações Comerciais que são a voz dos empresários nos municípios, e juntos buscar soluções para que os empresários sobrevivam em meio a tudo o que está acontecendo. Precisamos defender os empregos que geramos à nossa população”, justificou o presidente da Facmat.

A videoconferência contou com participações dos presidentes das Associações Comerciais dos municípios de Água Boa, Alta Araguaia, Arenápolis, Cáceres, Campo Verde, Colíder, Cuiabá, Diamantino, Itaúba, Lucas do Rio Verde, Nova Olímpia, Nova Nazaré, Rondonópolis, Tangará da Serra, Terra Nova e Itanhangá, além da equipe estratégica e de apoio da Facmat e da Associação Comercial de Cuiabá. 

 

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • Aline da Silva | Domingo, 29 de Março de 2020, 10h13
    0
    0

    Pelo que sei, a secretaria de saúde tem um Plano Estadual de Contingência para o Enfrentamento do Coronavírus, que segue as diretrizes do Ministério da Saúde. Trabalha na ampliação do número de leitos de Unidade de Terapia Intensiva em Mato Grosso e na construção de um fluxo de atendimento aos pacientes confirmados ou suspeitos da COVID-19. Levando em consideração que o Sistema Único de Saúde funciona de forma tripartite – com o apoio da União, do Estado e dos Municípios – e como forma de evitar uma situação adversa, a SES articula o atendimento de casos suspeitos de coronavírus junto aos maiores municípios da Baixada Cuiabana e amplia consideravelmente o número de leitos totais em oito unidades geridas diretamente pelo Estado.

  • Agricultor que produz queijo | Sábado, 28 de Março de 2020, 20h37
    5
    0

    Senhores, data máxima vênia, com muito respeito a preocupação dos comerciantes que é a preocupação de todos os Matogrossenses bem como dos gestores de Estado. Dirijo primeiramente ao representante do Estado na pessoa do Secretário cesar Miranda e indago- lhe, o Estado tem estrutura financeira, física e tem proteção individual para todos os profissionais de saúde suficientes e dentro dos padrões exigíveis pela ONS?, os hospitais do interior( cito aqui os representes das cidades que participaram dessa conferência) tem leitos e insumos para atender pelo menos 10% do povo de suas respectivas cidades?, as providências dos servidores publicos tem fluxo de caixa para pagar auxilio doença para concursados que necessitarem afastar em detrimento da COVID? Aos representantes do comércio que representam os comerciantes que aqui; indago: Tem equipamento de segurança para todos os funcionários, se não tem, onde vocês irão adquiri- los; e ainda questiono.......se os funcionários vierem adoecer vocês tem hospitais para atendê- los em cada cidade? Bem, se as respostas forem, SIM! Vamos reabrir e vamos a luta!! Lembrando que seus filhos, parentes e amigos podem ser um trabalhador que estará do outro lado do balcão.

  • Deixem que abra | Sábado, 28 de Março de 2020, 20h18
    5
    0

    Daqui uns 40 dias, quando os corpos estiverem sendo enterrados as dezenas em caixões fechados sem velório eles fecham de novo, na marra.

  • Marc | Sábado, 28 de Março de 2020, 19h32
    0
    10

    Aos que querem ficar em casa, saibam que o caos baterá em sua porta bem mais cedo do que pensam. A histeria fará mais mal ao país do que o vírus chinês. Ainda bem que agora temos um presidente de verdade.

  • Nilton godoy | Sábado, 28 de Março de 2020, 18h36
    1
    7

    QUEM NAO TEM RESPONSABILIDADE É VCE ,DEVE SER FUNCIONARIO PUBLICO,OU É UM DAQUELES QUE QUANTO PIOR MELHOR,NAO SABE O QUE PASSA UM PEQUENO EMPRESSARIO,QUERO VER VCE PAGAR OS SALARIOS QUE VENCE NO QUINTP DIA!COM PORTAS FECHADAS

  • Bento | Sábado, 28 de Março de 2020, 17h08
    7
    1

    Querem que abrem, mas fazem reunião por videoconferência kkkk UMA PIADA povo ignorante ao extremo. Porque não se reuniram todo mundo junto???

  • Jota | Sábado, 28 de Março de 2020, 16h21
    8
    3

    Irresponsáveis! Já há pesquisas dizendo que mesmo estando abertos a população não irá, uma vez que estão de quarentena! Só pensam no dinheiro, vão cuidados dos seus familiares e empregados!!!

  • Luis Carlos | Sábado, 28 de Março de 2020, 14h38
    12
    8

    Deixam que abrem, sem clientes com custo de luz.. aluguel ..e outros vamos ver se essa ignorância vai muito ...e depois não cem pedir incentivo ao governo ....pois os recursos deverão ser aplicados na saúde...a culpa não foi nossa de colocar pessoas na rua .

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS