Mundo Terça-Feira, 11 de Junho de 2024, 01h:00 | Atualizado:

Terça-Feira, 11 de Junho de 2024, 01h:00 | Atualizado:

ASSÉDIO

Mulher reclama de figurinhas pornôs enviadas por gerente e acaba demitida

Prints mostram que ele ofereceu uma casa para morarem juntos

G1

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

figurinhas-porno

 

Uma mulher de 42 anos denuncia que foi demitida após se recusar a receber figurinhas de cunho pornográfico do gerente do departamento de recursos humanos da empresa onde trabalhava, em Santa Terezinha de Goiás, na região norte do estado. Segundo o relato feito à Polícia Civil, as figurinhas foram enviadas em abril deste ano.

O nome do gerente não foi divulgado pela Polícia Civil e, por isso, o g1 não conseguiu contato com a defesa para um posicionamento.

A funcionária foi demitida na última quinta-feira (6). De acordo com o registro da Polícia Civil, o gerente mandava mensagens para a funcionária a chamando de “princesa”, “meu amor”, “minha flor” ou “minha florzinha”, desde de 2023.

Ainda no registro da polícia, a funcionária afirma que, em abril deste ano, o gerente mandou mensagens com figurinhas de cunho sexual. Em seguida, a funcionária afirma que as investidas do gerente estavam a incomodando.

"Isso já está estressante, viu? Só para avisar", diz ela, respondendo a uma figurinha enviada pelo suspeito.

Em outra mensagem divulgada pela polícia, o suspeito oferece uma casa para a funcionária para que se relacionem. "Eu dou a casa para você morar, se ela for para nós dois", relata a vítima à polícia.

Já em outra mensagem, o gerente envia uma figurinha, ao que a funcionária responde "de novo??", questionando o envio insistente de figurinhas de cunho sexual para ela.

De acordo com a polícia, no último dia 6, o gerente disse à funcionária que a estava demitindo e que ia registar ocorrência por difamação, uma vez que outra funcionária relatou para o proprietário da empresa que o gerente tinha esse comportamento com todas as funcionárias. Foi quando ela procurou a delegacia para denunciá-lo.

O nome da empresa não foi divulgado pela polícia, pois, por se tratar de crime contra a dignidade sexual, a investigação corre em sigilo.





Postar um novo comentário





Comentários

Comente esta notícia






Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet