23 de Maio de 2019,

Artigos

Opinião

A | A

Quarta-Feira, 15 de Maio de 2019, 08h:57 | Atualizado:

Renato Nery

O Brigadeiro

renatonery.jpg

 

O Brigadeiro é uma pessoa simples, afável e, como todo mineiro, bom de prosa! Um “boa praça”! Por trás de tudo isso existe um jornalista independente e experimentado, com mais de 40 anos, em atividade, e um primoroso escritor. Tem vários livros escritos, mas, sua modéstia o impede de divulga-los e de ser reconhecido, como um excelente escritor.  

Afirma que vai parar com o jornalismo. Isto aconteceria se o jornalismo não fosse parte dele. Um conversador nato. Hábito que deve está associado à sua profissão. Está sempre perquirindo e perguntando para depois  expressar as suas ideias, convicções,  críticas e inconformismos,  nas mais diversas formas de expressão. 

Como sou discípulo de Ruben Braga, descobri esse excelente cronista, através de suas crônicas publicadas em diversos sites. E aí, começaram os meus contatos com ele. Ele é uma figura miúda e, à moda antiga, usa chapéu panamá de abas curtas  o que o distingue em qualquer lugar. Se a moda pega, ele vira celebridade!

A partir das crônicas, passamos a estreitar as nossas relações e eu entrei no seu universo: li artigos, crônicas e entrevistas e tudo que encontrei a seu respeito, via Internet. Fui atrás de seus livros, mas não os encontrei. Relatei-lhe o fato e quando ele foi me visitar levou alguns exemplares.

Por que uma pessoa tão simples tem um codinome tão pomposo? Acontece que Brigadeiro é a patente de um lendário militar/político da história política do País. O seu pai um udenista roxo, não teve dúvida, lascou  no menino  o nome daquela eminente figura: Eduardo Gomes. Entretanto, ao contrário do seu homônimo, o Brigadeiro original era  um Adônis garboso de olhar altaneiro e festejado por uma legião de mulheres por onde passava. Disputou por duas vezes a Presidência de República e veja o seu lema: “Vote no Brigadeiro que é bonito e é solteiro”.

Aliás, simplicidade deve casar com humildade, gentileza e afabilidade, características que emanam do nosso Brigadeiro.  Um contador de histórias! A sua escrita é espontânea, simples, didática  e direta como se tivesse contando “causos”. Conhece, como ninguém, os cantos e recantos deste Estado, que estão delineados nos seus inúmeros artigos, entrevistas, crônicas e livros. Adotou e foi adotado pelo Estado de Mato Grosso, com papel passado de um merecido título cidadão mato-grossense. Ressente da  imprensa da Capital do Estado que vive preocupada com  o que acontece na Corte e  não dá a devida cobertura para o interior do Estado. 

Os seus textos sobre os vultos mato-grossenses são primorosos, escritos de forma simples, informativa e direta. Textos estes que, com as adaptações devidas, eu gostaria de vê-los transformados em livro para ser distribuído, como livro didático, pelas escolas, a fim de popularizar a história de Mato Grosso.

Creio que se fosse afeito às injunções e conveniências políticas, os seus livros seriam mais bem divulgados e ele já teria assento na Academia Mato-grossense de Letras. Predicados não lhe faltam!

Se cometi algum pecado, neste texto, certamente, é da avareza, por não dispor de maiores informações. A par de eventuais deficiências, fica aqui, nestes rabiscos, um esboço desse pequeno grande homem. 

Renato Gomes Nery. E-mail – rgnery@terra.com.br 

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS