Polícia Sábado, 20 de Abril de 2019, 13h:10 | Atualizado:

Sábado, 20 de Abril de 2019, 13h:10 | Atualizado:

AMEAÇA DE ATAQUE

Aluno é acusado de levar arma para colégio em Cuiabá

 

Valquiria Castil
Gazeta Digital

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

IFMT

 

Mais um caso de ameaça dentro de unidade escolar foi registrado na Delegacia Especializada da Criança e do Adolescente (Dea), em Cuiabá. Desta vez o alvo seria o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), situado no Centro, onde um aluno do 1°ano estaria armado dentro da escola.

Diretor do IFMT, Cristovão Albano, confirmou o caso e que soube da ameaça já no fim da tarde de quarta-feira (17). Publicação realizada através de redes sociais dizia a seguinte frase: “Por que tirar 10 na prova, se você pode tirar um 38 da mochila – anônimo 17/04/2019 campus octayde (sic)”.

A denúncia chegou até os professores através dos próprios estudantes. Porém nenhuma arma foi vista. “Quero crer que isso não proceda. Ninguém viu essa arma, então pode ser que seja mais o pânico de toda a situação que a gente tem vivido desde Suzano”, pontuou.

O responsável pela publicação e a família não foram localizadas, segundo a diretoria. “Eu não consegui conversar sequer com esse aluno, ele não veio a escola hoje. Nós tentamos entrar em contato com a família, mas não conseguimos”, afirmou Albano. Apesar da comoção gerada em grupos de aplicativos de mensagens, as aulas foram mantidas normalmente e deve seguir o calendário escolar sem alterações.

Albano adiantou que um processo disciplinar foi aberto na instituição para apurar a conduta do estudante. Somente após a investigação é que será tomada a providência necessária caso seja identificada alguma infração, podendo resultar na expulsão do aluno. 

Pânico se alastra entre pais e alunos desde a tragédia registrada na escola de Suzano (SP), no mês março, onde dois ex-alunos executaram 8 pessoas e depois se mataram. Em Mato Grosso, a Gerência de Combate a Crimes de Alta Tecnologia (Gecat), da Polícia Civil (PJC), investiga diversos grupos criados que falam de ataques em escolas.

Este é o 3° caso que veio à tona essa semana, sendo que dois inquéritos já foram abertos para apurar as ameaças de massacre contra escolas. O primeiro caso foi no Colégio Coração de Jesus, no Centro, e o 2°na Escola Estadual José de Mesquita, localizada no bairro do Porto.





Postar um novo comentário





Comentários

Comente esta notícia






Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet