20 de Setembro de 2019,

Política

A | A

Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 00h:06 | Atualizado:

COVERAGE-MERCENÁRIOS

Advogado de coronel vê circo do Gaeco e defende Lei do Abuso em MT

Ricardo Monteiro defende tenente-coronel PM suspeito de fazer parte de esquema de adulteração de armas na Polícia Militar


Da Redação

ricardomonteiro-pacola.jpg

 

O advogado Ricardo Monteiro, que defende o tenente-coronel Marcos Eduardo Paccola, fez nesta quarta-feira duras críticas à imprensa e ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), coordenado pelo Ministério Público do Estado (MPE-MT). Paccola foi um dos alvos de uma operação do Gaeco na manhã desta quarta-feira (21) e é suspeito de fazer parte de um esquema de adulteração de armas na Superintendência de Apoio Logístico e Patrimônio (Salp), da Polícia Militar.

Ricardo Monteiro, entretanto, contou a jornalistas que seu cliente poderia ser ouvido no inquérito, e que o tenente-coronel PM não iria “fugir”, sugerindo, ainda, que ele irá “assumir” suas responsabilidades. “É isso que nós temos que começar a coibir. O inquérito que daria perfeitamente para serem ouvidos e a pessoa que é responsável vai assumir a responsabilidade, aliás já assumiu a responsabilidade. Agora vem com essa prisão midiática. Nós temos um tenente-coronel que não vai fugir, que não vai atrapalhar as investigações, e vai assumir, como já assumiu a sua responsabilidade. Para que a prisão? Para vocês venderem jornal e para dar audiência na televisão”, disparou o advogado.

O defensor do tenente-coronel PM classificou ainda como “circo” a operação com o cumprimento dos três mandados de prisão contra 4 oficiais da PM, cumpridos pelo Gaeco nesta quarta-feira. Foram presos o tenente-coronel PM Sadá Ribeira Parreira e o tenente PM Thiago Satiro Albino. Marcos Eduardo Paccola não foi preso pois se beneficiou com um habeas corpus preventivo expedido pelo Tribunal de Justiça nesta madrugada.

O tenente PM Cleber de Souza Ferreira, que também é alvo da operação, já se encontrava na prisão. “O que nós questionamos é esse circo que se monta no processo penal. Por isso que se fala do abuso de autoridade e não querem deixar passar, querem vetar”, ponderou o advogado.

Monteiro se mostrou favorável a Lei de Abuso de Autoridade, que pretende coibir “excessos” de magistrados e promotores e procuradores de Justiça, e que só depende da sanção do presidente Jair Bolsonaro (PSL). “Isso é feito para vocês da imprensa. Para vocês venderem jornal e dar audiência nas televisões. Temos que parar com isso gente. Aí reclamam dessa lei do abuso de autoridade. Só foi proposta essa lei em razão de pessoas que estão fazendo do processo penal um circo. Nós temos que parar com isso!”, indignou-se o advogado.

Ricardo Monteiro também sugeriu que as operações solicitadas pelo MPE-MT e autorizadas por juízes estão sendo feita “erradas”, razão pela qual, segundo ele, pouco tempo depois da prisão os suspeitos encontram-se em liberdade. “Você tentar condenar a pessoa sem dar o direito de defesa para ele. Para que você vai prender uma pessoa se ele vai assumir a responsabilidade dele? Era somente intimar! A pessoa é uma autoridade, é um oficial da PM. Ele não vai fugir. Vocês estão cansados de ver, de vir aqui nos cercar, pedir entrevistas. Daqui a alguns minutos, há algumas horas, ver as pessoas serem soltas. Aí falam: a polícia prende a Justiça solta. Não é isso, solta porque tá sendo feito tudo errado”, analisou.

OPERAÇÃO

O Gaeco cumpriu nesta quarta-feira quatro mandados de prisão contra oficiais da Polícia Militar. As informações preliminares são de que os agentes de segurança pública estão envolvidos num esquema de adulteração de armas na Superintendência de Apoio Logístico e Patrimônio (Salp).

O Comando Geral da Polícia Militar divulgou uma nota na manhã de hoje (21) para informar que os quatro oficiais presos na operação que apura a suposta adulteração de armas na Salp já estão sendo investigados pela Corregedoria da Corporação e são agora alvo de um Inquérito Policial Militar (IPM). O objetivo é “que oficiais da Corregedoria acompanhem e atendam os agentes públicos em todas as solicitações e necessidades no sentido de apurar e esclarecer as denúncias”.

 

Postar um novo comentário

Comentários (9)

  • Betina | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 10h40
    5
    0

    Sò não entendi muito bem o habes corpus preventivo que o Tenente Coronel Paccola se beneficiou! A operação fazou para ele antes que acontessece? Hora, hora tem que prender mesmo, se não destroem provas e coagem testemunhas, não é somente falar que assume a responsabilidade não, falar até papapagaio fala! Apesar que isso não vai dá em nada, pois o final todos já sabemos, não vai dar em nada,nada,nadaaa, uma vez que são OFICIAIS DA POLICIA MILITAT DO ESTADO DE MATO GROSSO, tem a certeza da impunidade! Triste realidade, más as entranhas dos órgão públicos estão podres! Se a parte de cima da policia militar faz o que faz e não acontece nada, imagina a parte de baixo! O exemplo vem de cima, acusações de praças envolvidos com extermínios, roubos e tantas outras coisas, mais, que comandandes e oficiais não tem moral algum para apurar pois os praças ainda ameaçam que se cairem levam oficiais juntos! haja vista que vivem enlameados tanto quão. Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão!

  • João | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 09h58
    4
    0

    "Para que a prisão?" Porque lugar de criminoso é na cadeia. Só por isso. Vivemos o tempo do "poste urinando no cachorro" se tornando o normal.

  • Francisco | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 07h20
    7
    0

    Muito poder gera desvios de conduta... tá feia a coisa pro lado de cá. O lado de lá a gente já conhece...

  • Raimundo | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 07h11
    17
    2

    Menos Dr., Esse estatuto do criminoso será um alvará para a bandidagem... Bem menos Dr....

  • Dom Quixote de La Mancha | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 07h01
    14
    2

    Oficiais são deuses na pm....Nada acontece...são intocáveis.....

  • Roberto | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 06h40
    14
    5

    Tá fazendo papel ara o qual foi pago, se um dia for vítima e Deus ajude que nunca, vai querer agilidade e vai mudar de opinião sobre abuso. Deveria pensar além dos interesses pessoais e se preocupar com a sociedade, se essa lei de abuso for aprovada duvido que os indicies de criminalidade não disparem. Qual policial vai arriscar ir preso pra cumprir sua obrigação?

  • Paula Goetz | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 06h19
    7
    11

    Parabens advogado. Os intocaveis metem os pés pelas mãos prá aparecer na tv globo.

  • Leal | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 04h45
    12
    4

    Advogado defendendo lei que protege Bandidos e criminosos em geral????? Quem diria...!!!

  • Dom Quixote de La Mancha | Quinta-Feira, 22 de Agosto de 2019, 01h17
    8
    3

    Para prefeitura Municipal de Cuiabá 2020 vote ZAQUEU para prefeito o único inocente e Cel ZAQUEU.....todos será chamado de boca de PIÇA....cara de PIÇA.....deste jeito ele chama os PRACAS....

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS