07 de Agosto de 2020,

Opinião

A | A

Quarta-Feira, 15 de Julho de 2020, 09h:13 | Atualizado:

Lício Malheiros

Fala desconexa

Lício Malheiros.jpg

 

Nosso país vive hoje, momento preocupante e de extrema cautela, tendo em vista a sobreposição de poderes, sequenciados por falas comprometedoras e desconexas, proferidas por pessoas, que supostamente deveriam ter o mínimo de bom senso e discernimento ao proteger, tanto as instituições públicas como as  privadas.

Esta narrativa tem como epicentro, um pronunciamento proferido pelo ministro da Suprema Corte (STF), Gilmar Mendes, natural da pacata e ordeira cidade de Diamantino (MT).  O mesmo, profere fala desconexa e desnecessária em uma live em que  participava, fazendo a seguinte narrativa,  “Que o Exército estava se associando a um “genocídio” ao aceitar fazer parte da condução das políticas públicas desastrosas de enfrentamento à Covid-19 no alto escalão do governo”. “Isso é péssimo para a imagem das Forças Armadas. É preciso dizer isso de maneira muito clara: o Exército está se associando a esse genocídio, não é razoável. É preciso, por fim a isso”, disse o ministro na ocasião.

Sabemos que a maioria dos leitores, já ouviu exaustivamente a palavra “genocídio”, porém existem aqueles,  que não sabem a sua definição, vamos lá, genocídio (extermínio   deliberado de pessoas motivado por diferenças étnicas, nacionais, raciais, religiosas e, por vezes, sociopolíticas).

Obviamente, diante desta colocação feita pelo nobre ministro Gilmar Mendes, no mínimo inapropriada e inconsistente; era de se esperar por parte das Forças Armadas, uma resposta à altura, fazendo valer a lei da física ação e reação, a terceira lei de Newton, afirma que a toda ação corresponde a uma ração de igual ou maior intensidade.

Essa resposta foi dada à altura pelo Ministério da Defesa, através de uma nota afirmando repudiar “veementemente” a fala de Gilmar Mendes. “Trata-se de uma acusação grave, além de infundada, irresponsável e, sobretudo leviana”. “Na atual pandemia, as Forças Armadas, incluindo a Marinha, o Exército e a Força Aérea, estão completamente empenhadas justamente em preservar vidas”.

Como vivemos em um país democrático, respeitando o Estado Democrático de Direito, que permite ao nobre ministro Gilmar Mendes, amplo direito de defesa, por sua fala proferida a uma das instituições, que representa e defende a soberania nacional, as Forças Armadas.

Gilmar Mendes, diz “Não ter atingido a honra das Forças Armadas, e que a respeita, ele diz ter criticado a formulação de políticas públicas  de saúde por militares, em meio à pandemia de Covid-19”. Continua, “Vivemos um ponto de inflexão na história republicana em que, além do espírito de solidariedade, devemos nos cercar de um juízo crítico sobre o papel atribuído às instituições de Estado no enfrentamento da maior crise sanitária e social do nosso tempo”, assim disse o ministro.

O nobre ministro Gilmar Mendes, age de forma paradoxal, ao justificar  sua fala,  reafirmando, ter dito e feito menção ao Exército brasileiro dizendo “Que o mesmo estaria se associando a um “genocídio”, e que  não teria falado das Forças Armadas”. Como não nobre ministro,  se as Forças Armadas do Brasil, são constituídas pela Marinha, Exército e Força Aérea, que tem como missão constitucional zelar pela defesa da pátria. Nobre ministro, com todo respeito, não subestime  nossa capacidade de inteligência.

Pare o mundo, quero descer!

Professor Licio Antonio Malheiros é geógrafo.  

 



Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Anderson Siqueira | Sábado, 18 de Julho de 2020, 21h52
    0
    0

    Este ministro só nos faz vergonha, deveríamos esconder que é de Mato Grosso, Muito bom seu artigo professor Lício Malheiros, parabéns.

  • Rodrigues | Quarta-Feira, 15 de Julho de 2020, 18h20
    1
    0

    Ótimo artigo professor, o preclaro signatário Carlos, por certo deve ser um petista ferrenho, ou melancia, verde por fora e vermelho por dentro, vai chorar na cama que é quente petralha, tenho orgulho de ter sido aluno do professor Licio excelente professor.

  • Cleidiane | Quarta-Feira, 15 de Julho de 2020, 18h04
    2
    0

    Excelente artigo professor, gostei muito A arrogância e prepotência desses metralha de toga e algo alarmante:, vivem agindo de forma obscura e sempre favorecendo a esquerda festiva.

  • Carlos | Quarta-Feira, 15 de Julho de 2020, 11h53
    1
    4

    Nobre "Professor" de Geografia, Vossa Senhoria deveria se ater precipuamente a matéria para qual foi licenciado. Seus argumentos quando adentram a seara do Direito ou, quando, tentam digressar sobre a realidade nacional, em sua grande maioria, estão totalmente fora do contexto atual ou, quando nada, não reflete a essência daquilo que realmente foi dito ou comentado, pela mídia nacional e, até mesmo pela mídia local. Reveja seus conceitos, busque, uma gama maior de conhecimentos sobre a matéria em enfoque, se prepare, deixe de emitir opiniões rasas, desvirtuadas. Vossa Senhoria como articulista é um bom geografo, se realmente for essa a sua formação. De bobagens o Mundo está cheio, especialmente, em relação a esse Governo que Vossa Senhoria tanto defende.

  • Aecio never | Quarta-Feira, 15 de Julho de 2020, 10h09
    2
    4

    Falando merda como sempre professorzinho de araque, bate pau de milico.

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS