Política Terça-Feira, 28 de Maio de 2019, 08h:24 | Atualizado:

Terça-Feira, 28 de Maio de 2019, 08h:24 | Atualizado:

TRANSPARÊNCIA

Estado abre dados em "tempo real" e facilita investigações contra corrupção

Decreto foi assinado pelo governador Mauro Mendes nesta segunda-feira

Da Redação

Compartilhar

WhatsApp Facebook google plus

mauro-joseantonio.jpg

 

A prevenção de ilicitudes em atos administrativos estaduais é o objetivo do decreto assinado pelo governador do Estado, Mauro Mendes, que dispõe sobre a integração entre o Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) e órgãos do governo. Conforme o documento, fica estabelecida a cooperação administrativa entre o Estado e o MPMT, cabendo à Polícia Judiciária Civil e ao Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira) a realização de ações conjuntas de prevenção e detecção de ilicitudes em atos administrativos. 

De acordo com o decreto, os promotores de Justiça dos núcleos do Meio Ambiente, de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública, e de Probidade Administrativa e do Patrimônio Público terão acesso a processos, documentos, objetos, sistemas e quaisquer outros meios, instrumentos e equipamentos no âmbito da administração pública estadual. Os delegados da especializada do Meio Ambiente (Dema), da especializada em Crimes Fazendários e Administração Pública (Defaz) e membros do Cira terão a mesma prerrogativa. 

“O decreto determina que o Ministério Público e demais os órgãos de controle tenham acesso, de forma imediata, a todo e qualquer processo, desde que haja um procedimento de investigação aberto. Isso vai facilitar o trabalho de controle e as investigações, tornando-as mais célereS, uma vez que não será mais necessário ir ao Judiciário pedir um mandado de busca e apreensão”, explicou o governador Mauro Mendes. 

Para o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges Pereira, trata-se de uma posição política de transparência do governo. “Para os órgãos de controle, como o Ministério Público, que estejam envolvidos em investigações ou queiram algum esclarecimento prévio antes de instaurar um procedimento, o acesso às informações que são públicas é natural. O decreto determina que os órgãos prestem a informação imediatamente. Vemos essa iniciativa de forma positiva, pois demonstra a vontade do governo de manter um diálogo e não ter receio de possíveis investigações em relação às condutas que ocorram dentro da administração”, avaliou. 

Ainda segundo o chefe do MP, é praticamente impossível que haja um controle do governador ou dos secretários de Estado de toda a máquina administrativa. “Por isso é necessária a transparência dessas informações, até para ajudarmos a administração para que haja uma boa governança dos recursos públicos”, finalizou. 





Postar um novo comentário





Comentários (2)

  • Maria

    Terça-Feira, 28 de Maio de 2019, 11h52
  • SENHORES PROMOTORES DA DEFESA DO MEIO AMBIENTE E GOVERNADOR ESSAS SEQUÊNCIAS DE LEIS PROPOSTAS PELOS DEPUTADOS MADEIREIROS PARA ACABAR COM A FISCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE MADEIRAS E AGORA RETIRANDO DO INDEA ESSA ATIVIDADE DESENVOLVIDA COM MUITO BRILHANTISMO A MAIS DE 40 ANOS, É UM RETROCESSO, E COM ISSO SEMPRE VISANDO FRAGILIZAR E ENGESSAR A FISCALIZAÇÃO, PORTANTO GERA A APARÊNCIA QUE O ESTADO DE MT.,TENTA INSISTENTEMENTE E A TODO CUSTO,ENFRAQUECER O SISTEMA DE CONTROLE AMBIENTAL REALIZADO POR MEIO DA IDENTIFICAÇÃO DE MADEIRAS.
    1
    0



  • Contribuinte

    Terça-Feira, 28 de Maio de 2019, 11h15
  • O MP poderia aproveitar e mandar o Executivo para de pagar os inativos do TCE e da AL.
    2
    0









Copyright © 2018 Folhamax - Mais que Notícias, Fatos - Telefone: (65) 3028-6068 - Todos os direitos reservados.
Logo Trinix Internet