09 de Agosto de 2020,

Política

A | A

Quarta-Feira, 01 de Outubro de 2014, 12h:27 | Atualizado:

Wellington terá 2 minutos para se defender de acusações de Salles

O candidato ao Senado Federal, Rogério Salles, do PSDB, foi punido pela Justiça Eleitoral de Mato Grosso, que concedeu dois minutos de direitos de resposta no programa de propaganda eleitoral no rádio e na televisão a Wellington Fagundes, da coligação “Amor à Nossa Gente”. A decisão – que mutila o ultimo programa do candidato tucano – foi tomada pelo juiz Paulo César Alves Sodré, que concluiu que Rogério Salles apresentou “inverdades” contra Fagundes, com a finalidade de tentar confundir os eleitores. A punição a Salles contou com parecer favorável do Ministério Público Eleitoral.

O magistrado considerou que o candidato do PSDB fez “afirmações falsas” contra seu adversário e praticou “crimes contra a honra” de Wellington Fagundes. Segundo a decisão, Wellington foi vitima de “frases injuriosas e difamatórias” quando Salles tentou ligar, sem provas, o parlamentar aos problemas relacionados a obras da Copa do Mundo. Outra inverdade de Salles contra Wellington decorre da acusação de que ele estaria trabalhando pela divisão de Mato Grosso.

Para o juiz eleitoral, “não se pode tolerar”  que no âmbito de uma contenda eleitoral candidatos “lancem mão a expedientes que exponham a dignidade e a honra do seu oponente sem um mínimo de lastro probatório”. Para a Justiça, Salles teve “nítida intenção de macular” a imagem de Wellington “de homem probo e honesto”.  

“São duas inverdades, lamentáveis para quem se diz democrata, vergonhoso para quem diz que seguiu Dante de Oliveira. Meu adversário trouxe ao programa eleitoral invenções apenas para tentar enganar o eleitor. Mas a verdade está posta, provada e nos foi concedido esse direito de resposta” – disse Fagundes, que garantiu que vai exigir o cumprimento da decisão judicial. “O eleitor precisa saber quem falta com a verdade”.

Wellington fez questão de destacar que, ao longo do tempo, sempre lutou pela integração de Mato Grosso, com a busca de recursos para obras importantes nos municípios. Sobretudo, os mais carentes, que sofrem com falta de infraestrutura. "Sempre procurei ver o cidadão em primeiro lugar, atenuar suas dificuldades, com busca de verbas de Brasília, seja com emendas ou trabalhando o próprio Orçamento. E creio que estamos conseguindo porque os números das pesquisas nos colocam em primeiro lugar na preferência" - frisou. 

Esta é a quinta vez que a Justiça Eleitoral pune Salles por propaganda eleitoral com conteúdo ilegal contra Fagundes. Na segunda-feira, 29 de setembro, a Justiça Eleitoral cortou parte do programa eleitoral do candidato do PSDB. A medida também atingiu os programas de Rui Prado, do PSD, e de Gilberto Lopes Filho, do PSOL. O único programa mantido na íntegra foi o de Wellington Fagundes.

Para Lucien Pavoni, a decisão do juiz Paulo Sodré contempla os aspectos de uma campanha limpa, estabelecida na Resolução do Tribunal Superior Eleitoral, que regulamenta a propaganda eleitoral no rádio e na televisão. “O eleitor, de forma alguma, pode ser vítima de campanhas odiosas, campanhas que faltam com a verdade” – frisou. Segundo ele, a campanha de Wellington Fagundes foi baseada na construção de idéias, procurando criar na opinião publica uma mensagem positiva, de um político que busca o melhor para a população.

As respostas de Wellington às acusações de Salles serão apresentadas nesta quarta-feira, 1.

 



Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

INFORMES PUBLICITÁRIOS

MAIS VÍDEOS